Copa, eleições e o lastimável papel das esquerdas nas “jornadas de junho”: desabafo aberto a quem possa interessar.

15 jul

Meio mundo já escreveu sobre se houve ou não houve Copa. Imagino que historiadores do futuro olharão para esse debate como se se tratasse de uma conversa entre dementes. Muita retórica foi gasta pelos intelectuais de plantão para provar que a realidade não aconteceu.

 

“E, no entanto, se move” disse Galileu.

 

A Copa veio, aconteceu, houve jogos memoráveis e momentos de ópera bufa por conta dos grandes conglomerados midiáticos que perderam o tom do ridículo. Os aeroportos funcionaram, os estádios ficaram prontos e os turistas “bombaram” como diz a meninada.

 

Houve atrasos nas obras de mobilidade? Sim, e muitos deles exatamente por conta dos movimentos sociais que aproveitaram o momento político para encurralar o governo com suas demandas, algumas justas e outras totalmente descabidas.

 

Durante os doze meses que antecederam a Copa, vimos as ruas tomadas de assalto por grupos raivosos esbravejando da maneira mais incoerente uma revolta que desejava ecoar a Europa e os países árabes. Uma revolta gestada nas redes sociais e até hoje não sabemos financiada por quem ou como.

 

Gritos generalizados contra a corrupção e reivindicando saúde, educação e passe livre. Críticas frequentemente dirigidas às instâncias erradas da administração pública, por grupos que nem sabem como funciona o país, mas que se esbaldaram com seus quinze minutos de fama, transformando em caos a vivência cotidiana nas grandes cidades brasileiras.

 

Passei um ano perguntando aos meus amigos deslumbrados: onde está o povo? Por que suas manifestações não empolgam os cidadãos comuns? Por que vocês não conseguem transcender esse discursinho besta feito de chavões e clichês políticos antiquados e análises sociológicas bitoladas? Só o que consegui foi ouvir mais incoerência e a repetição ad nauseam do #nãovaitercopa e outras boçalidades afins.

 

Perdi o respeito por amigos de décadas nessa jornada e lamento muito por isso. Mas certamente não há como voltar ao que éramos, muito ódio gratuito foi destilado nas redes sociais, dedos foram apontados e juízos de valor proferidos em um clima de histeria medonho.

 

E, enquanto isso, a direita partidária sentou para assistir enquanto os partidinhos nanicos da esquerda detonaram o único governo que minimamente chegou perto de alguma reforma social, em quinhentos anos de História no Brasil. Se existe algum motivo de vergonha nos acontecimentos dos últimos treze meses, é exatamente o papel lastimável das esquerdas radicais anti-tudo.

 

E, antes que algum sociólogo embriagado por textos franceses venha me dizer que direita e esquerda já não definem nada, por favor, vão estudar História!!!! Parem de obrigar a realidade a caber em suas categorias patéticas de análise e comecem a olhar para as pessoas que vivem e trabalham, não as tratem como “massa” e muito menos desmereçam seus anseios e trajetórias neste mundo.

 

Eu sei que nenhum dos meus amigos quer sequer aventar a possibilidade de ter servido de massa de manobra, todos são tão inteligentes!!! Mas, se vocês tivessem aprendido com o exemplo da Espanha, quem sabe a nossa conversa hoje estaria sendo outra.

 

Em 2012, os indignados tomaram de assalto as ruas da Espanha, e não eram quatro ou cinco mil como aqui, eram centenas de milhares. Pregaram o voto nulo como uma maneira de “mostrar” sua insatisfação. O voto nulo na Espanha elegeu a direita franquista genocida com ligações estreitas com a Opus dei. E estamos vendo, dia após dia, os espanhóis sendo levados à ruína e ao desespero econômico, enquanto a elite abocanha gordas fatias de verbas públicas da maneira mais deslavada.

 

E mesmo assim, meus amigos inteligentes querem que o brasileiro anule o voto em massa. Anular o voto não serve absolutamente para nada se não houver um planejamento rígido de desobediência civil para após as eleições, nesse sentido quem anula o voto deveria parar de recolher os impostos e deixar de usar os serviços do Estado, passando a organizar-se em comunidades autônomas. Fora disso, o voto nulo é apenas uma bravata que somente beneficia os setores mais retrógrados da sociedade.

 

Sintomático é ver jovens que se beneficiaram a vida inteira das estruturas democráticas (conquistadas a duras penas e com concessões que nos doem no âmago) argumentando aos berros que vivemos em um estado de exceção e numa ditadura. Eu me lembro de como é uma ditadura de verdade porque vivi em duas, no Uruguai e no Brasil, e posso assegurar aos meus jovens amigos que vocês não durariam nada nelas, de tão acostumados a ver o mundo a partir do próprio umbigo.

 

Sintomático também é ver o tanto de “revolucionários” concursados no serviço público…

 

Os meses que nos separam das eleições prometem uma campanha de nível ordinário, a julgar pelo comportamento nas redes sociais. Como será o dia seguinte é o que ninguém está se preocupando em assumir. Quem vai pagar os custos e assumir as reponsabilidades se toda essa inconsequência das ruas eleger um modelo neoliberal que sucateie de verdade o país, destruindo as conquistas tão a duras penas obtidas?

 

Certamente não serão os partidinhos trotskistas e muito menos meus “amigos de Facebook” que são tão “descolados” a ponto de considerar-se acima do povo que defendem.

 

Triste e lamentável.

Anúncios

8 Respostas to “Copa, eleições e o lastimável papel das esquerdas nas “jornadas de junho”: desabafo aberto a quem possa interessar.”

  1. FERNANDO TASSONI julho 15, 2014 às 1:06 am #

    Anna, que precisão na análise. Jovens alienados gritando palavras de ordem absolutamente desconexas e que se julgam os reis do tabuleiro, quando não passam de peões egoístas manobrados por interesses que bem conhecemos.

    • annagicelle julho 15, 2014 às 12:34 pm #

      Obrigada Fernando! Todos nós já fomos jovens e acreditamos que nossa visão de mundo era a única possível. Eu não me preocupo tanto com a meninada porque a própria vida vai se encarregar de dar-lhes perspectiva. Quem está por trás e quem é adulto e compra esse discurso é que me preocupa mais…

  2. Felipe Matos julho 16, 2014 às 1:58 am #

    Boa noite, Professora !

    Que grande desabafo, hein! Concordo com todos os aspectos abordados…

    Outro dia assisti a entrevista do Senador Pedro Simon no Roda Viva da Tv Cutura, diga-se de passagem sem nenhum partidarismo muito boa, pois se pelo menos metade de nossos políticos tivessem o discurso e a mentalidade moralista do Senador, quem sabe não teríamos esse deprimente quadro em nosso governo… Um dos pontos abordados na entrevista, foi sobres esses movimentos sociais e manifestações que viraram moda por pessoas desorientadas e com falta de percepção da realidade ou talvez como a senhora bem colocou, estão sendo financiadas por grupos interessados nas manipulações da massa e na instalação de uma alienação ideológica.

    Uma importante questão que o Senador apontou, que hoje o governo articula ações através do jogo de troca e das compras dos votos como vimos no caso do mensalão, não conseguimos hoje no patamar político o diálogo, o debate de idéias e projetos sem que se negocie quanto vai custar ou quais cargos serão oferecidos por meio de negociatas…

    Movimentos sociais, com força ideológica bem definida e defendida como deve ser é que precisamos !!! Ou como bem disse o Senador, uma reforma política através de uma nova Constituinte que regulamentasse o número e a atuação de partidos, que reformasse nossos códigos, penal e civil, para que principalmente a corrupção e as negociatas que não ajudam no desenvolvimento de um governo, fossem punições mais severas !!!

    Concordo com a senhora que muito se fala e pouco é conhecido, pois somos influenciados por informações superficiais e expressas ! Talvez até eu esteja vendo as coisas por esse viés, mas acredito que o Brasil e sobretudo no sistema político precisa ser rapidamente revisto para que sofra alterações realmente significativas e que funcionem na prática, ou seja, precisamos de um banho de novos conceitos que sejam definitivamente entendidos pela população …..

    Obrigado e abraço !

    • annagicelle julho 16, 2014 às 2:23 am #

      Obrigada pelo comentário, Felipe. Este é um momento em que devemos defender o diálogo a qualquer custo e que a luta por mudanças se dê dentro do âmbito institucional e democrático. Em um momento em que todos criticam a falta de educação do país, devemos ser educados e polidos no debate. Em outras palavras, civilizados!!!! Um grande abraço!!!

  3. Bruno Lima julho 19, 2014 às 6:32 pm #

    Muito boa reflexão, “pés no chão, pessoal!”. Já conhecia o blog de outros posts, de vez em quando venho aqui visitar 😉 Grato.

  4. Eduardo Roberto agosto 19, 2014 às 5:42 pm #

    Esse texto veio bem a calhar. Na última vez que eu passei por aqui, tava lendo sobre aqueles textos do Nildo Viana. Fui aproximar do cara pra entender a ideia dele, me ignorou. Se ele não está disposto a propagar a tese dele, por que eu iria insistir, né?

    Da mesma forma acompanhei um outro professor doutor em História que eu adicionei no Facebook. Esse é petista, aparentemente militante. Vi que um pessoal, até mesmo com boas intenções, discordou dele. O cara, ao invés de conversar e explicar o ponto de vista, chamou todo mundo de analfabeto político e coxinha. Se a ideia dele era militar pra conseguir votos para o PT, o tiro saiu pela culatra.

    Bom, parece que todo mundo está vivendo um estado de arrogância. Como a senhora diz em outro texto, se acham vanguardistas. A impressão que eles passam é que para eles “o povo vota errado porque são burros”.

    Aqui tá se tornando o único lugar que eu confio em ler opiniões e buscar conhecimento pra aprender. Claro, aqui e nos livros que a senhora indica.

    • annagicelle agosto 19, 2014 às 10:12 pm #

      Fico feliz com seu carinho e respeito, Eduardo. Mas você precisa ter autonomia para criticar a todos nós e desenvolver suas convicções de modo livre. Eu gosto do diálogo, mesmo quando discordam das minhas opiniões, só ando meio desiludida com a falta de educação das pessoas nas redes sociais. Como você mesmo constatou, muitos militantes perderam o senso na hora de lidar com o “outro”. A nós que queremos um pouco mais da convivência humana, só resta manter abertas as portas do diálogo. 🙂 Um abraço!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: