Entrevista

27 nov

Aqui vai a simpática entrevista que Edelso Júnior e sua equipe, alunos da Universidade de Franca, fizeram comigo no ano passado. 🙂

Anúncios

4 Respostas to “Entrevista”

  1. Evelyne Lucena janeiro 3, 2016 às 6:23 pm #

    Ótima entrevista professora, a vi há algum tempo, mas só agora me ocorreu de comentar algo que ficou na minha mente depois dela.

    Você falando sobre péssimos trabalhos em grupo que são feitos na escola (concordo totalmente sobre isso) questionou o fato de obrigarem as crianças todas a falar, sendo que nem sempre elas querem fazer isso, e o fazem muito desconfortáveis.

    Eu fiquei pensando se não é pra isso mesmo que a escola serve. Para as pessoas, que, como eu, se sentiam MUITO desconfortáveis, porque nunca conseguiam passar para o papel sequer 2% do que estava, de forma totalmente confusa, na cabeça, fazerem um, dois, vinte, trinta, textos péssimos, até que um saísse com 10% a 20% das ideias mais ou menos organizadas.

    E outros colegas, que preferiam mil vezes escrever a se expor e falar sobre o resultado das pesquisas dos seminários de escola. Precisaram fazer isso várias vezes para perder a vergonha, e muitos nunca a perdem, isso é fato, mas aprendem a se virar mesmo com ela.

    Hoje eu tento ler literatura e reportagens, porque apesar de conseguir escrever “até mais ou menos”, acho que ainda posso deixar o que eu escrevo mais interessante, mais fluido. Fiquei pensando na dificuldade que eu sentiria hoje (na faculdade licenciatura de história) se na escola eu não tivesse tido a oportunidade de escrever, ter tirado uns zeros porque não sabia focar no tema da redação, o que me fizeram abrir um blog pra falar de outras coisas além da escola, e enfim, hoje ainda não é a coisa que eu mais amo fazer na vida, mas também não fico chorando rolando na cama quando tenho que responder algo em forma de texto (mesmo que eu seja meio prolixa as vezes, acho que deu pra perceber).

    Então, era isso o que eu queria acrescentar, apesar de na infância parecer tortura fazer uma criança introvertida sair da concha (eu era introvertida outras situações, sei bem como é isso, sou INTP) é uma situação preciosa dar a oportunidade pra ela saber que pode fazer isso logo cedo, porque depois qualquer fala na frente dos outros pode parecer uma missão impossível.

    • annagicelle janeiro 4, 2016 às 12:41 am #

      Obrigada pelo comentário, é um ponto de vista que eu respeito e concordo. 🙂 Creio que o problema da escola radica um pouco no excesso por parte de alguns professores, que acabam por deixar os alunos introvertidos mais “travados” ainda. Eu fui uma criança tímida e casmurra e odiava quando alguém queria me “consertar”. Digo isso porque nos meus tempos de escola os professores eram muito mais brutos que hoje. Tive professores maravilhosos, mas tive alguns que eram francamente abusivos ao deixar claro que nos consideravam “errados” e “ruins” como pessoas porque não nos adequávamos aos modelos que defendiam. O ideal seria um pouco mais de equilíbrio e o abandono dessa ideia que os burocratas tem de como o aluno deve “ser”, precisamos de um modelo que permita a cada um “ser” a partir de si e mesmo assim aprender. Como faremos isso é que eu ainda estou buscando a solução. 🙂 Um abraço!!

      • Evelyne Lucena janeiro 4, 2016 às 12:55 am #

        Adorei seu ponto de vista Anna. Parabéns pelos vídeos e pelo blog, não é tão fácil achar conteúdos na internet com temas relacionados à história, queria ter conhecido o blog e o canal antes 🙂

      • annagicelle janeiro 4, 2016 às 1:00 am #

        🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: