REPRESENTAÇÕES, PÓS-MODERNIDADE E OS CRO-MAGNONS DA DIREITA

14 set

Que existe um problema de diálogo social no Brasil (e no mundo) é um fato público e notório, uma vez que estamos tendo que retomar algumas lutas do século XIX e outras, pasmem, pré-Iluministas. Senão vejamos, nos últimos três anos este blog já teve que se pronunciar defendendo um governo legitimamente eleito contra um golpe jurídico-parlamentar, denunciando a retirada de direitos sociais garantidos por uma Constituição soberana, combatendo o crescimento dos crimes de ódio contra mulheres, negros e a comunidade LGBT, denunciando a indústria da desinformação, dos fake news, da manipulação e da mentira propriamente dita, bem como o crescimento atroz da censura e da perseguição anti-intelectual diante da Ciência e da Arte. E, para amargura pessoal daquela que aqui escreve, perdemos todas essas batalhas e o país está hoje em uma situação que envergonha e humilha qualquer ser minimamente pensante, diante da indiferença da maioria de sua população.

 

A esquerda brasileira, sempre dividida, digladia-se atribuindo culpas e responsabilidades e clamando por autocríticas, como quem promove autos de fé e espera produzir catarse da violência autoinfligida. Enquanto isso, uma direita oportunista dá voz e protagonismo a uma súcia de trogloditas para que aterrorizem os espaços públicos e virtuais e mantenham a sociedade como refém do obscurantismo. E enquanto brigamos entre nós para descobrir onde erramos, as oportunidades de diálogo social se estreitam cada vez mais porque a direita apela ao atavismo visceral enquanto a esquerda procura por racionalidade onde esta sequer jamais existiu.

 

Vários de meus amigos marxistas são tão virulentos quanto a própria direita ao criticar o fenômeno da pós-modernidade. Enquanto a direita combate as pautas identitárias porque não considera o outro sequer como humano ou digno de interlocução, alguns setores da esquerda acusam essas mesmas pautas de provocarem rachas e rupturas na luta revolucionária. Não admira que, cada vez mais, os grupos perseguidos e espezinhados socialmente estejam procurando desempenhar suas lutas renegando filiações ideológicas tradicionais.

 

Não tenho a pretensão de dominar a bibliografia e nem o jargão pós-moderno, não apenas porque minha filiação teórica é marxista, mas também porque sempre tive a impressão de que esses teóricos estavam mais ligados à área das Ciências Sociais do que da História. É claro que essa é uma percepção minha e é provável que eu esteja enganada, além do que não compartilho a pretensão de dominar o conhecimento em todas as suas nuances, que acomete uma boa parte da nova geração. Prefiro dominar com propriedade a leitura de uma ou duas dúzias de autores, do que me aventurar a dar palpite em temas e domínios complexos apenas de orelhada (em parte por isso abandonei os vídeos, as pessoas solicitavam cada vez mais autores que me eram estranhos, e eu precisava ler muita coisa fora de contexto para poder responder, correndo o risco de interpretar equivocadamente algum autor, por estar fora da minha área de atuação).

 

O que entendo por pós-modernidade é um conjunto de conceitos que descartam a existência de um campo de existência real (desculpem a redundância) para trabalhar com suas leituras, versões, percepções e representações no âmbito social e cultural. É um tipo de leitura que rejeita filiações ideológicas e equaliza forças históricas e sociais (que de modo algum são iguais, idênticas ou igualitárias) e promove o primado das identidades em volta de áreas de concentração como gênero, raça e sexualidades, descartando sumariamente a divisão classista. É uma discussão de grande envergadura e, certamente, concordo que foi um dos fatores responsáveis por inviabilizar qualquer possibilidade de coesão nos movimentos de esquerda.

 

Entretanto, o que me assusta nessa discussão é a distância que ela adquire da sociedade real e das necessidades básicas do ser humano, o que permitiu que essa direita fundamentalista com ranço inquisitório ocupasse os espaços públicos e virtuais e sequestrasse o raciocínio de parcelas cada vez maiores da população. E isso se dá porque o nível de abstração dessa discussão é característico dos meios acadêmicos e está fora do alcance da grande maioria da sociedade, afinal, como tratar de versões e representações com pessoas que ainda precisam da ficção religiosa para manter a sanidade perante a vida? É evidente que a partir do momento em que uma parte considerável das discussões da esquerda migrou da fábrica para os meios intelectuais e adquiriu essa complexidade teórica, sua capacidade para promover qualquer mudança social se esvaiu em elucubrações abstratas.

 

E não estou dizendo, com isso, que a vivência acadêmica deva ser menosprezada, perseguida ou descartada. Ao contrário, sou defensora ferrenha da atividade intelectual e da necessidade constante dessa reflexão teórica sobre o mundo que nos cerca. Se ainda existe racionalidade nesta arena apocalíptica do capitalismo é exatamente devido à existência de uma sólida tradição intelectual contestatória que remonta ao século XII no Ocidente.

 

Quanto mais não fosse o atoleiro que estamos vivendo, bastaria o exemplo da cultura islâmica, que era intelectualmente florescente na virada para o segundo milênio e que a perseguição cristã, os interesses econômicos e o fundamentalismo religioso transformaram nesse deserto intelectual que hoje vemos. Os perigos de ceder ao discurso anti-intelectual estão cada dia mais presentes no convívio social e caracterizam uma tragédia anunciada. Por isso deixo claro aqui que, embora não simpatize com seus pressupostos teóricos, nada tenho contra os pós-modernos que justifique seu silenciamento.

 

O que estou argumentando, dentro das minhas limitações de expressão, é que existe uma esquerda blassé  que descartou a luta de classes e o materialismo dialético em prol do ideário pós-moderno. E esqueceu que vivemos em um país cujas instituições a duras penas se esforçam por sobreviver ao assalto das hordas predatórias de uma elite que se mantém intelectualmente ligada a um pensamento repleto de ranços coloniais. Se a modernidade e o Iluminismo não estão presentes nas percepções da maioria da população brasileira, que dirá a pós-modernidade.

 

Nesse sentido, parece que vivemos de anacronismo em anacronismo. Com grupos anarquistas primitivistas que defendem o isolamento social e o fim da civilização para agrupar-se em comunidades ciclistas veganas. Com feministas trotskistas brancas que defendem uma sororidade que ignora solenemente a clivagem de classe e raça. Com defensores da visão classista que renegam a existência do machismo e do racismo. Com militantes incapazes de gerar uma visão sistêmica que permita o agrupamento em lutas sensatas e plausíveis para além do espectro da política partidária. Com o esfacelamento da identidade básica do ser de esquerda que sempre primou pela solidariedade, pela defesa ferrenha da igualdade e da socialização de bens e serviços.

 

Enquanto isso na Sala da Justiça…

 

Pois é, enquanto isso existe uma direita troglodita que renega todo e qualquer processo civilizatório e se vale da ignorância e da falta de informação dos meios públicos e virtuais para promover o preconceito e a intolerância, emprestando as técnicas do fundamentalismo religioso para capturar a lealdade dos incautos. E nós estamos impotentes porque passamos a maior parte do tempo apelando para a racionalidade com pessoas que estão abandonando seu lado racional para entregar-se a atavismos catárticos, que compensam a miséria social e intelectual celebrando a violência que liberta das frustrações e amarguras pessoais. É uma questão de tempo para a convulsão social.

 

Principalmente porque essa nova geração de liberais, que renega a dicotomia entre a direita e a esquerda, promove as plataformas da direita sob o primado de um falso cientificismo, que atribui valores de veracidade a visões de mundo toscas e simplistas. E quando alguns setores da esquerda alcançam o limbo que se encontra acima do bem e do mal (e renegam a própria História do pensamento esquerdista) acabam por engrossar as hostes do não-pensamento tão ao gosto dos promotores do status quo direitista. Temos então o caldo de cultura ideal para a promoção de demagogos portadores de verdades milenares e soluções finais simplistas e autoritárias.

 

E aí o camarada Vladimir perguntaria o que fazer?

 

Precisamos descobrir como retomar as lutas essenciais e o espaço público, deixando que a Academia lide com o pensamento acadêmico e retomando o diálogo com a sociedade real. Precisamos ser menos professores e mais companheiros, reaprendendo com nossos semelhantes tudo aquilo que considerávamos superado pela História. Precisamos viver as condições do mundo em que vivemos para não correr o risco de que todos se tornem trogloditas e sejamos nós os únicos anacrônicos.

 

Paz, pão, terra e liberdade a todos os camaradas do mundo!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: